Aos 88 anos, a atriz Fernanda Montenegro fala do preconceito contra os idosos e comemora a liberdade de não pintar mais o cabelo

De mesma forma que a rezadeira Mercedes, personagem que interpreta na novela global “O Outro Lado do Paraíso”, Fernanda Montenegro tem um coração de ouro. Na trama de Walcyr Carrasco, a atriz veterana uma senhora mística, que escuta a voz dos anjos e deixa de viver ao lado de seu amor, Josafá (Lima Duarte), para o bem de todos. Fora da ficção, como já era de se imaginar, ela não passa o dia orando, mas também é um símbolo da luta pelo amor.

Chateada com a repercussão negativa da novela “Babilônia” (2015), de Gilberto Braga, na qual ela deu vida – em horário nobre – a uma mulher idosa e homossexual, Fernanda ressalta que, sem amor, o mundo caminha para trás. “O sujeito careta tem todo direito de ser assim, cada um tem o direito de pensar e ser o que quiser. Mas o fato de distinguir o contrário diante de um fato, de um fenômeno ou de uma postura humana, isso é amedrontador”, explica.

Inconformada e com os pés no chão, a atriz que faz par romântico com Lima Duarte em “O Outro Lado” não esconde o que pensa. Até os 40 anos, ela acredita que é “suportável” ver um casal aos beijos na TV, depois disso, o público considera as cenas de amor um desaforo. E aí, o que nos resta, é não perder a fé na humanidade. “É aquela coisa de Santo Agostinho, ‘se você duvida, já acredita’. Essa frase é tão bonita… Quem não pede algum socorro na hora do desespero? Até mesmo um ateu!”, comenta a atriz, aos risos.

Adepta das redes sociais, mas com pouco tempo para atualizar sua página no Facebook, Fernanda conta que jamais deixaria de ler um livro para ficar de olho no que dizem sobre ela. Livre, leve e solta, com seu cabelo ao natural, a global de 88 anos de idade esbanja autoestima em sua nova fase.

“Deixar o cabelo branco é repousante, muito confortável. Pintar toda semana é um horror porque uma hora a tinta deixa de pegar na raiz. Agora que estou natural, é como se eu fosse uma criança de novo. Viu como tem vantagem a velhice?”, diverte-se.

No ar com uma das personagens mais difíceis de sua carreira, a atriz, que é referência, não deixa de agradecer ao autor da trama pelo papel. Humilde, ela diz que não sabe se está correspondendo, mas aproveita para dar lições de vida ao falar de Mercedes.

“Ela tem sentimentos antigos. E quando eu digo antigo, não é velho. São sentimentos puros, importantes, que eu espero estar dando conta porque não existe idade para amar”, diz Fernanda, viúva do também ator Fernando Torres (1927-2008), com quem teve o casal de filhos Fernanda Torres (atriz) e Cláudio Torres (diretor e produtor de cinema e publicidade).

Parceria

Não é a primeira vez que Fernanda divide cenas com o também veterano Lima Duarte, intérprete de Josafá. Na trama das 21h, os dois interpretam um casal que se ama desde a juventude, mas que foi separado por conta de uma mentira da cafetina Caetana, personagem vivido por Laura Cardoso, 90 anos, outra dama da TV brasileira. Quando a verdade veio à tona, Mercedes (Fernanda Montenegro) não quis voltar atrás e viver com Josafá, achando que o tempo dedicado ao marido a impedirá de ouvir a voz dos anjos.

Em outras novelas da Globo, no entanto, os dois atores nem sempre interpretaram personagens que se renunciavam, pensavam nos outros e eram tão bonzinhos assim. “Em ‘Belíssima’, de 2005, Fernanda e eu tínhamos uma filha que ela teve coragem de jogar fora. Estou até agora procurando aí nos lixões uma pista da Claudia Abreu, que viveu a Vitória [risos]”, brinca o ator. Pelas contas de Lima, já são quase “300 anos” de parceria, amor e respeito pela colega. “Quando estamos em cena, gosto de fazer bonito. Não por mim, mas por ela. Ah! E isso sem falar na Laura Cardoso, outra velha amiga”, revela o artista de 87 anos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se você encontrar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Post Author: rita